24 de out de 2009

=ASSOMBRO=



Esses olhos gigantes, escuros, sofridos
contam-me o que é dor.
Vasculho minha carteira
Encontro nela uma foto
Não encontro dor nos meus olhos
Por mais forte que ela me venha
jamais trazer-me-á o brilho-mártir
que tem o seu olhar
Minha infância não foi boa
queixas como as suas não tenho
Boa ou má ela existiu, fui criança um dia
Tive você
Ela resiste em mim
Um ar jovem e macerado...
Nunca o percebi quando em carne e osso
Onde conseguiu este olhar súplice,
Essa face corada, porém santa
Que as imagens de santos não possuem?

24/11/92

Nenhum comentário: