5 de jun de 2011

O Samba que Chegou em Mim

  Algumas coisas chegaram tarde na minha vida. 
Outras, cedo, muito cedo. Cedo demais...
Eu sou uma pessoa daquelas que tem uma alma descombinada do corpo. 
Uma aparência que não combina com a minha essência.
Tenho cara de quem mora em Madureira.
Gosto muito disso disso!
Perguntam-me se o meu  time é justamente aquele, 
cujo nome evito falar 
pra não chamar a legião (de fãs torcedores). 
Preciso explicar, sou apenas botafoguense, felizmente, 
disso tenho orgulho e não lamento decepcionar. 
Amigos juram que sou portelense...
confesso, gostaria de ser, no entanto, 
no mar azul da casa da minha infância, 
fui eu o peixe verde listrado de branco. 
Contra a correnteza, não vôo como a águia, 
apenas peixe-palhaça mas com coroa imperial!
Tenho cara de extrovertida, sendo apenas uma tímida aventureira 
Percebo que sou uma formiga na aventura de a SAARA.
Poderia ser o Saara, daria no mesmo para a formiga..
Minha alma chega sempre depois do corpo 
em qualquer lugar que eu não conheça muito bem.
Meu coração faz cara de pateta diante das explosões, 
enquanto o corpo corre ou acode os feridos.

O samba chegou cedo na minha vida, 
mas eu não entrei no batuque, coisa de timidez familiar. 
Certo é que ele entrou pelos meus ouvidos e vivendo doce e decentemente 
meus sonhos de adolescente, 
enquanto eu, rebelde, cheia de causas e rock'n roll  fazia com exceção para Chico,
música, acima do bem, do mal,  do estilo. 
Mais tarde,  quase livrei-me livrei de parte da  timidez. 
Um dia ao final de um casamento, 
quando não se sabe o que fazer, 
Sem referência de quem se é ao certo.
Olhei-me no espelho e me vi  bonita!

Pensei: como eu não sei sambar?
Tinha ouvido dizer, que o jeito estava no sangue, 
E á dormiam o  molejo dos quadris e a cadência dos passos.
DNA é alma e sangue, não se perdem como as referências
Não se curvam em deferências, daquilo que é o mehor...
...Nesse dia sambei diante do espelho.
O público veio depois, demorou um tempo... 
Cada novo de olhos a me olhar, é um parto,  
sem dor mediante certas melodias quando ouço.

Não, gente o tímido não procura aprovação, 
Pelo menos eu sou assim:
Procuro falta de vergonha no sentido da desinibição.

Nenhum comentário: