29 de mai de 2009

Da Martha para Nós. Sem comentários

"Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30. Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.

Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada “dois a um”,duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação, que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora dele deveriam ser reprimidos.

Fizeram a gente acreditar que os bonitos e mágicos são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, e para todo, e os que escaparam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.

Ah também não nos contaram que ninguém vai contar tudo isso para a gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém".

Martha Medeiros

3 comentários:

Kassya Mendonca disse...

O texto diz uma grande verdade!!!
Eu felizmente, qdo tinha uns 13 anos, conheci um padre fabuloso, que em uma de suas palestras, disse que: uma laranja pela metade nunca volta a ser inteira, e que só rende meio copo de suco, que se eu quisesse um copo inteiro de suco eu precisaria de 2 laranjas inteiras.
Então que não procurasse uma metade, mas um inteiro, para somar e não dividir, que nunca esperasse que outro fizesse por mim o que eu mesmo não consigo. E que amar ao próximo como a si mesmo; é me amar muito para depois poder amar outro.

Beijos querida!
qdo quiser as fotos de fadas e só pedir!

Mar disse...

Já conhecia o texto: maravilhoso. Mas... sabe, está tão enraizada essa crença na outra metade da laranja, que é difícil se livrar dela. Há sempre recaídas. É mais fácil acreditar que a infelicidade e incompletude está relacionada a algo que se encontra fora de nós, e não no nosso interior: é tão mais fácil olhar pra fora, olhar para dentro é tão mais difícil.

Rozzi Brasil disse...

Eu acho que olhamos mais pra fora por influência e interferência da sociedade na nossa vida.Além da nossa própria necessidade e/ou carênica que nos leva a buscar um par, há a pressão social que nos olha diferente se aparentamos ser diferentes. Mulher sozinha ganha um sequencia de rótulos.OLhar para dentro que já é difícil se torna quase que impossível de tantos conceitos exteriores introjetados em nós