24 de out de 2009

sem título

Dentro do que posso farei todo o impossível.
Dou o meu sangue,
Mas quero meu coração
Dou minha vida,
Mas quero a minha alma
Dou meus nervos,
Mas quero minhas idéias
Não quero mais ser irrestrita,
Pago o preço,
Mas levo a mercadoria
05/06/1994

Nenhum comentário: