11 de jun de 2012

Memoria semanal de uma cinefila distraida 1 - FLORES DO ORIENTE

Fui atropelada por Flores do Oriente (Zhang Yimou , 2012). Numa fase de vida que tudo descomplica, focada em ângulo reto para uma semi-nova atividade profissional, atraída pelas sempre perfeita e exuberante fotografia dos filmes do diretor chinês, lá  fui eu, num  feriado chuvoso, religioso e deveras frio pro Odeon Br (Cinelândia - Centro- RJ),  que nos feriados não abre seus  preciosos espaços terceirizados (imagino eu) privando os clientes do conforto do bebida quente ou da birita gelada e agraciando os mesmos com o pleno desconforto de um banheiro que só se pode usar durante ou após a sessão, isso porque o funcionário que libera a entrada, verifica o bilhete é o mesmo que cuida para que nenhum retardatário permaneça para a sessão seguinte... 
E pensar que eu desprezo do fundo do meu coração os cinemas de shoppings, apenas por estarem dentro de um shopping... Bem feito pra mim! 


Pois bem, animada com o diretor que gosto pela exuberância das suas cores, incentivada pelo comentário de uma amiga no Facebook, sem ler nenhuma resenha previamente, embalada pelo lirismo do nome traduzido, temerosa de que a insistente chuva tornasse mais uma daquela enchentes cariocas, decidi encerrar minha tarde no cinema mais próximo. Gostei do filme, mas não o suficiente para aprovar sua duração, não precisava ser tão longo, período em que passei pela  aflição, tensão e cheguei a desespero, coisas que sp filme baseados em fatos reais são capazes de fazer com os meus nervos.

Existem 2 gêneros de filmes que não assisto nunca: Filmes de guerra e de escravidão. E eu tinha que parar  justamente num cinema com um filme sobre o "massacre de Nanquim", num dia de feriado santo quando tudo o que eu sonhava era me distrair. Tarefa inútil diante da narração de um fato que não adianta torcer, o herói não vai vencer! A leitura retardada das críticas me fizeram compreender que toda profissão/função tem seus truques e atalhos e, certamente críticos de cinema não devem ser diferentes ou não encontraria explicação para tanta frieza nos comentários.Concordo que as personagens são esterótipos, que o longa se ocupa de um fato com desfecho conhecido e já outras vezes retratados na telona, mas nada disso impediu-me de ter  coração acelerado nas cenas de perseguição das mulheres e crianças para serem mortas ou estupradas. A burocracia apontada pelos críticos não me tirou o ímpeto de torcer pelo oficial sobrevivente nem abrandou minha decepção com o seu destino.
Zhang Yimou, imagino, dirige para o público, arrebata-o e o seduz com suas ambientações precisas, com suas cores envolventes onde a direção é o filme e os atores compõem a história que a câmera, suas cores e movimentos contam.
Pelo meu momento pessoal,  saí do cinema satisfeita com o filme,  mas triste por uma história que não deveria jamais ter sido verdadeira, sentindo que não fui feita, como boa cultuadora de super heróis ainda que animações,  para histórias pouco generosas com os mais fracos...

Para quem não está ligado:
Nanquim, era a capital da China e foi tomada pelos japoneses em 1937.  O massacre (tomada da cidade),  teria durado 3 dias, embora a violência tenha perdurado por seis semanas, até o início de fevereiro de 1938. Estimativas indicam o número de 200.000 civis e prisioneiros de guerra assassinados nesse período de ocupação japonesa.

Nenhum comentário: