14 de mai de 2012

IMAGEM E SEMELHANÇA DE DEUS

Grilhões  Religiosos Impedem o Amor parte 2
 (Continuação) 

Tudo me leva a crer que não exista hoje nenhuma luta por igualdade, apenas pela mudança das mãos que seguram o chicote.



Registra-se a nossa História, faz-se todo o tipo de busca que comprove a veracidade dos registros da nossa origem e desenvolvimento, ciências e métodos complexos foram criados para este objetivo e simplesmente não se consegue perceber que os conflitos humanos relevantes vieram pelos caminhos  da desigualdade, da desimportância, do não tenho nada com isso...  


Hecatombes aconteceram porque o Homem só se importa com ele próprio, porque sempre se prefere olhar para o que nos separa e colocar qualquer diferença estética, de idade,  econômica, religiosa, sexual, de nacionalidade.................. (preencha aqui a sua diferença) como características que fazem o outro pertencer a outra espécie.


Inventaram a história de que somos a imagem e semelhança de Deus e parece que o tiro saiu pela culatra, em vez de adotarmos o bom comportamento para ficarmos bonitos como o papai, nos tornamos aquele tipo de filho que mal consegue disfarçar que seria muito bom o pai "bater as botas" para botarmos a mão na grana.... Assim, enquanto o papai, não está damos ordens aos empregados e "detonamos" com o patrimônio!! 


Não sou conhecedora da matéria mas creio que nenhum animal doméstico seja tão ridículo quanto o ser humano e sua inteligência, seus argumentos, sua realeza. Até porque os animais não são ridículos...


 São nações inteiras cultivando átomos, enriquecendo urânios enlouquecendo na defesa da sua cultura, dos seus valores, incluindo aí petróleo, fronteiras, taxas cambiais - são valores ou não? Poder.
Por ter-se criado a lenda que o Brasil é um país rico, a corrupção é pauta do cafezinho, melhora o rendimento do jornaleiro mais caidinho nesses tempos de internet que por sua vez é a 2ª invenção da roda e quebra um galhão, mas que veio sepultar de vez o pique-tá e a brincadeira de roda instalando na nossa vida o sedentarismo... De certa forma a internet é a substituta do programa Xuxa como babá de pais sem tempo ou interesse... A internet é a melhor solução para a falta de espaço dos minúsculos imóveis que nos vendem - logo teremos acesso wireless nos botões das nossas roupas -  
 e para a economia familiar, que já não precisa mais de uma babá tão eficiente, nem gastar rios de dinheiro com balé, natação, jiu-jitsu, violão, canto, piano a menos que o pirralho em questão tenha maiúsculo DNA esportivo ou artístico.  No futuro quem não for atleta, desenvolverá um meristema radicular. Quer saber o que é? Matéria de 4ª série, mas se você  está on line, veja no Google, afinal se podemos complicar tudo porque eu facilitaria? :)))


Temos a democracia do voto obrigatório, temos zilhões de candidatos para votar e sinto que não temos escolha e quando votamos mal  temos recursos que não utilizamos, talvez exista um medo que possamos transformar o ruim em algo pior para nossas vidas. Talvez esse seja o único momento em que estar excluído seja uma vantagem que traz um prazer: "Políticas para os políticos" e nós, meros críticos das suas grotescas atuações.  


Olhando aqui da minha janela micro, fico estarrecida ao pensar que muitas de nossas ações não diferem das ações da política institucionalizada dos políticos institucionais. O país porcalhão que se desenvolve com  tecnologias sujas que emporcalham o meio ambiente; a vista grossa para o comportamento "inadequado" de patrões e empresas que nos pagam salário; a "lei do silêncio". Aquele recibo de serviço não utilizado e não  pago que nasceu para driblar o "leão" pode parecer uma ação bem mais cômoda e prática do que nos engajarmos em qualquer ato público que manifeste o nosso descontentamento, por exemplo,  com as taxas tributária excessivas que nos pesam, principalmente porque poderíamos ter, com tantos impostos e descontos,  um sistema público de saúde que nos possibilitasse poupar o que se paga no plano de saúde, ou uma escola pública de qualidade onde o cidadão crescesse, se incluísse - educado e ciente que não adianta o reconhecimento estrangeiro pela nossa viçosa economia, se ainda temos milhões de famintos, analfabetos funcionais, corrupção em todo e qualquer setor e os não corruptos cada vez mais acuados e o pior: silenciosos, vítimas de uma chantagem, como dizia o poeta, "a bolsa ou a vida".  Todos os trabalhadores arcam com os custos das suas vestimentas, transportes, médicos, dentistas e investimentos para sua ascensão, porque os políticos tem tanta regalia, se já os pagamos tão bem e pelo que se comenta, não estamos satisfeitos? 


Evoluimos tanto mas tenho dúvidas se mudamos tanto assim. Às vezes reconheço em mim traços nítidos dos tempos das cavernas, por sorte não tenho tacape, não porto armas. 

Ver o noticiário com a imagem nítida e límpida que o governo não governa apenas faz política. Lá onde estão as pessoas eleitas por nós para gerir nossos recursos extraídos a fórceps, perde-se tanto tempo discutindo os seus próprios  interesses "fundamentais" que não dá tempo de impedir que várias catástrofes aconteçam.  Quando éramos crianças nossos pais nos diziam não e logicamente não agradavam mas como eles tinham autoridade, acatávamos. Na minha visão micro,  não consigo entender porque se luta tanto para vencer uma eleição, unindo-se aqueles que justamente serão o impeditivo da execução dos objetivos - ao menos os declarados. 


Um ministro que venha a público pedir desculpas à bancada religiosa por seu pensamento laico me dá a certeza que o futuro reserva uma nova cruzada na defesa de um deus que vive nos sepulcros caiados de tanta liderança religiosa, ora com voz parlamentar. Usar o plenário para comemorar o centenário das Igrejas  Evangélicas da Assembléia de Deus me parece tão inapropriado quanto poluir uma Área de Preservação Ambiental com rituais afrodescendentes ou visitar países miseráveis a bordo de carruagens folheadas a ouro e acessórios de ouro maciço...Certas coisas ficaram ultrapassadas, mas lamentavelmente não caíram em desuso e não cairão enquanto acreditarmos que Deus existe para concordar com essas coisas ou enquanto não pudermos abrir mão do nosso conforto. Hoje não me afeta  a crítica que se faz à Igreja Católica, porque vejo os críticos montando o mesmo espetáculo, com a mesma direção e atores diferentes, porem igualmente superstars...
De novo:Tudo me leva a crer que não exista hoje nenhuma luta por igualdade, apenas pela mudança das mãos que seguram o chicote.
Mas que luta?


Nenhum comentário: